Bola ao alto: publicidade, marketing e muito basquete em uma série incrível.

A série documental “The Last Dance”, que traz a carreira do incrível Michael Jordan e do seu time, o Chicago Bulls, foi assistida por mais de 24 milhões de pessoas fora dos Estados Unidos. Na terra do Tio Patinhas, onde foi ao ar pela ESPN, contou com média de 5.6 milhões de telespectadores em cada episódio. Isso tudo é o resultado de muita negociação e estratégia para contornar as complexidades dos muitos direitos de imagens, limitações de transmissão (a série foi negociada em 2016, antes da Disney, proprietária dos canais ESPN lançar o seu serviço de streaming, o que viabilizou o acordo com a Netflix) e um trabalho audiovisual fantástico. Ou seja, um negócio muito bem conduzido.

A série traz também uma ótima oportunidade de relembrar a guinada da fabricante Nike. Após assinar com Jordan, até então, calouro na NBA que se recusava a ouvir a fabricante, já que seu sonho era ser patrocinado pela concorrente alemã, Adidas, que não tinha produto para atendê-lo naquele momento. Que azar... Um esforço conjunto, que envolveu até a mãe do atleta, fez com que Jordan ouvisse a proposta e saísse com um contrato de 250 mil dólares em uma época onde estrelas já consagradas recebiam, em média, cem mil dólares. Um calouro, com esse contrato? Pois é... Michael ganhou mais, uma linha de tênis exclusiva, desenvolvida com uma tecnologia pioneira

no mercado. O nome do tênis? Todos nós sabemos: Air Jordan. E o resultado? A Nike esperava alcançar três milhões de dólares no fim quarto ano de venda do Air, mas... ao término do décimo segundo mês, primeiro ano, eles alcançaram 126 milhões. Esse é Michael Jordan e um grande case de reposicionamento no mercado.



No quinto episódio da série vocês assistem toda a performance de MJ em publicidade. É um episódio bem bacana para os amantes da publicidade, do marketing, do cinema... e para quem, como eu, é apaixonado por basquete, porque nele rola uma linda homenagem ao querido Kobe Braynt, recém falecido em um trágico acidente de helicóptero.


Assistam o documentário, mesmo que não seja fã do basquete. Você sairá, no mínimo, encantado pela história do maior atleta de um esporte coletivo da história e também fascinado como esporte, atitude, persistência, negociação e marketing caminham muito bem juntos.





40 visualizações0 comentário